Início » Comunicação Interna » O que é inovação na Comunicação Interna?
Comunicação Interna

O que é inovação na Comunicação Interna?

inovação na comunicação interna

Ao fazer uma busca rápida no Google, você pode encontrar diversos significados para ‘inovação’. Além de várias áreas onde ela está acontecendo e várias formas de começar um movimento nesse sentido. Porém, neste texto vamos tratar de inovação em um âmbito específico: inovação na Comunicação Interna.

Para começar a pensar neste assunto, gosto da definição de Peter Drucker, considerado o pai da administração moderna, de que inovação no mundo empresarial pode ser considerada o ato de atribuir novas capacidades às pessoas, recursos e processos existentes na organização para gerar riqueza.

E esta definição se encaixa muito bem quando pensamos em como inovar em termos de Comunicação com colaboradores, já que esta atividade (e consequentemente está área) é a responsável por dar sentido aos acontecimentos cotidianos, decisões e estratégias, a fim de conectar os objetivos da empresa ao propósito dos colaboradores para gerar alinhamento e melhorar resultados.

Por onde começar a inovação na Comunicação Interna.

Diferenciar o que é e o que não é inovador nesta área é importante para sabermos por onde começar. Isso porque ao identificar o que não é necessariamente inovador, você terá mais clareza de onde investir seus esforços na comunicação para transformar a forma como a sua empresa estabelece o diálogo com funcionários.

No artigo acima, citei que inovar na Comunicação não é:

  • Apostar todas as fichas só em tecnologia, afinal uma simples ferramenta não transformará a empresa se ela não estiver disposta à isso;
  • Adquirir canais de comunicação e ferramentas só porque elas estão na moda, sem pensar na cultura organizacional, pois a a rotina, missão, visão e valores da empresa precisam dar suporte à um movimento de inovação;
  • Sair do papel, trocando canais como murais por TV corporativas, porém mantendo a mesma mentalidade de uso off-line para canais on-line;

O conceito de inovação em diversas áreas está profundamente ligado à transformação digital. Porém, ferramentas não são tudo. E, especialmente na Comunicação Interna, inovar não significa utilizar toda a tecnologia possível, e sim utilizar a tecnologia mais adequada e aderente à sua organização.

O que NÃO É inovação na Comunicação Interna?

Como estão indo os sorteios de brinde para quem participa dos eventos e ações divulgados pela sua Comunicação Interna?

Ops, desculpe! Entrei no meu ‘modo automático’ de pensar o engajamento do público interno e esqueci que deveria falar sobre inovação.

Já dizia Albert Einstein:

Tolice, é fazer as coisas sempre do mesmo jeito, e esperar resultados diferentes

Com esta frase, quero começar aqui a provocar algumas reflexões – que você verá ao longo desta edição  – sobre como entendemos o que é e o que não é inovador.

O intuito não é trazer respostas, mas despertar um pensamento crítico sobre o tema. Para isso, vou utilizar como base a definição da palavra: 

Inovação. Introdução de novidade ou aperfeiçoamento produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços.

Com base na definição podemos continuar neste texto listando o que não é, de fato, inovador.

O que não é inovação?

1. Apostar todas as fichas SÓ na tecnologia.

Você pode ter toda e qualquer tecnologia à sua disposição na empresa para a comunicação com os colaboradores. Porém, se você não conhece seu público interno, nenhuma tecnologia do mundo será suficientes.

Antes de apostar todas as suas fichas em na mais-nova-melhor-tecnologia-do-momento, procure entender se os hábitos de consumo de informação do público interno estão de acordo com o modelo, linguagem e abordagem que a ferramenta pode oferecer.

Faça um diagnóstico do seu público para saber realmente qual é a demanda por comunicação. E, somente a partir dai, pensar de que forma a tecnologia deverá ser utilizada.

2. Adquirir um canal só porque está na moda – sem pensar na cultura

Todos já estamos cansados daquele modelo de Comunicação Interna top-down (vulgo, goela abaixo). Todos também já sabemos que precisamos abrir espaços para diálogo com os colaboradores.

Porém, cá entre nós, no longo caminho entre esses dois extremos: controle e colaboração na comunicação, existe algo chamado cultura da empresa.

Neste sentido, adquirir um novo canal de comunicação, só porque ele promete espaço para trocas, sem que essas trocas tenham um objetivo maior, ou sem que seja oferecido um mínimo suporte nesta mudança de mentalidade, não é algo inovador (e nem eficiente!).

O equilíbrio entre tecnologias, ferramentas de comunicação e inovação está em descobrir e alinhar as necessidades e expectativas entre colaboradores e empresa, o que claramente envolve cultura. Por isso, não se esqueça dela.

3. “Sair” do papel – mas não de verdade

Ainda sobre tecnologia com propósito: abolir o mural impresso físico mas continuar utilizando o mesmo modelo de comunicação dele em outros canais digitais (sejam TVs, e-mail, Redes Sociais Corporativas ou Intranets) não pode ser considerado algo inovador.

Novamente, é preciso pensar e alinhar ferramentas, objetivos e cultura para que a inovação da comunicação realmente aconteça, de forma coerente e seja realmente sentida internamente.

4. Acreditar que brindes gerarão mais engajamento

Não há nada de errado em enviar um presente para reconhecer um colaborador ou dar lembranças à equipe no fim de ano.

Porém, tomar essa atitude como inovação na comunicação, e considerar que ela será o grande gerador de engajamento interno é um grande equívoco.

O objetivo da Comunicação Interna nas empresas em geral é transmitir mensagens.

Seu brinde de fim de ano pode estar alinhado com isso, mas ele não pode ser o grande “trunfo” da comunicação.

Lembre-se: inovar não significa só fazer coisas diferentes. A inovação acontece para mudar algo que está ruim ou melhorar algo que já é bom – sanando uma necessidade e gerando novos resultados – e o mesmo deve se aplicar à Comunicação. 

Por isso, apostar todas as fichas SÓ na tecnologia; adquirir um canal só porque ele está na moda – sem pensar na cultura; “sair” do papel, sem mudar a linguagem e forma da comunicação; e acreditar que brindes gerarão mais engajamento são práticas que não podem ser consideradas inovadora.

A inovação não depende apenas de tecnologias e ferramentas que você usa ou de qual brinde você vai dar, mas sim de como a comunicação está usando estes meios, para manter alinhamento, atender as necessidades do público interno e aí sim fazer algo novo que gere um resultado positivo, sendo um agente facilitador de mudanças na organização.

A real inovação na Comunicação Interna

Partindo deste pressuposto, listo abaixo três passos que podem ser seguidos inicialmente para fomentar um movimento inovador na área de Comunicação Interna, para que esta torne-se cada vez mais estratégica e eficiente nas empresas, traduzindo seu trabalho em resultados que geram impacto positivo no negócio.

Os três passos consistem em:

  1. Diagnosticar 
  2. Digitalizar 
  3. Mensurar

Diagnosticar

Um processo de inovação, especialmente na área de Comunicação Interna, deve se iniciar apoiado em práticas, processos e rituais que já existem na sua organização. E diagnosticar é o momento  inicial de um movimento de mudança.

Para ver no horizonte um novo caminho dentro da organização, é preciso primeiro olhar para ela, encontrando pontos-cegos (ou que às vezes ignoramos). Na Comunicação, o diagnóstico consiste em identificar quais são as necessidades do público interno, como os colaboradores preferem ser informados, quais canais são mais atraentes, que tipo de informação, qual modelo, quais assuntos, qual a periodicidade, como áreas e times se comunicam. Em poucas palavras, para inovar na Comunicação Interna é necessário conhecer o cliente interno.

A partir do momento em que você possui esse conhecimento, a inovação vai começar a acontecer no seu planejamento de comunicação, para levar informação aos funcionários de um modo que ela transmita sentido. A concretização desta transformação na Comunicação Interna será percebida ao longo de ações que terão um maior alcance e engajamento. Por isso lembre-se de, após diagnosticar, colocar em prática as mudanças para que elas impactem outras pessoas. 

Digitalizar

Ao diagnosticar e planejar as mudanças, o próximo passo para inovar na Comunicação Interna é executar as ações. Neste ponto, é importante utilizar canais e ferramentas que ofereçam suporte para que um movimento de transformação efetiva aconteça.

Novamente, a inovação aparece junto com a digitalização, mas cuidado: tornar-se digital não é simplesmente trocar caneta por mouse. É preciso construir uma mentalidade, que suporte e viabilize a Comunicação por canais digitais. 

Gratis
Materiais Educativos sobre comunicação interna
eBook 6 Ferramentas de Comunicação Interna
E como aplicá-las em sua empresa!

Segundo pesquisa da FGV até o fim de 2017 (sim, deste ano) o Brasil terá um Smartphone por habitante, são 236 milhões de aparelhos.  Hoje tudo está ao alcance de um clique e tenho certeza que seu público interno já tem uma mínima intimidade com esse tipo de ferramenta.

Aqui, portanto, digitalização significa trazer tendências digitais para o contexto organizacional, criando uma cultura do uso dessas ferramentas para o trabalho. Mas lembre-se, nenhuma digitalização fará sentido, se isso não estiver diretamente ligado as necessidades do seu público interno.

Mensurar

De acordo com relatório da Ruder-Finn, apenas 16% das companhias estão satisfeitas com a sua capacidade de mensurar a efetividade da sua Comunicação Interna.

Você sabe quantos colaboradores veem cada notícia publicada? Sabe qual está sendo o engajamento das pessoas em seus canais de comunicação? Ou melhor, sabe me dizer quanto a sua comunicação consegue impactar em algum objetivo estratégico de sua empresa? A inovação exige acompanhamento constante da mudança. Por isso, quando se trata de Comunicação, além de diagnosticar e tornar ações digitais, mensurar é extremamente necessário. 

Com número, métricas e dados é que projetos de inovação, principalmente da Comunicação, poderão se tornar cada vez mais uma realidade e provar o seu valor. 

Gratis
Materiais Educativos sobre comunicação interna
Kit Indicadores e Métricas de Comunicação Interna
Comece a mensurar seus resultados hoje mesmo!

Conclusão

Por fim, inovação não depende apenas do meio que sua empresa utiliza para se comunicar, mas sim de como todo o processo de comunicação acontece – levando em conta necessidades do público, ferramentas adequadas e acompanhando métricas, para que o trabalho gere um resultado positivo.


Aqui na SocialBase, entendemos como é importante criar uma mentalidade de inovação na comunicação, condizente com a realidade da empresa. Para conhecer a solução que desenvolvemos e bater um papo conosco, clique no botão abaixo:

/* ]]> */