Início » CEO e Liderança » Empresas descentralizadas geograficamente reconhecem o valor das redes sociais corporativas
CEO e Liderança

Empresas descentralizadas geograficamente reconhecem o valor das redes sociais corporativas

Com a força de trabalho dispersa globalmente, seja em homeoffice ou em viagem, e com a descentralização de empresas por meio de filiais distantes geograficamente, a gestão do conhecimento e o acesso ao mesmo são fatores chave para o bom andamento dos negócios. Nesse contexto, o grande desafio é a comunicação, que quando efetiva pode integrar colaboradores onde eles estiverem.

Empresas com esse perfil buscam unir colaboradores separados fisicamente, para aumentar o entrosamento e facilitar a comunicação. Diante disso, as redes sociais corporativas podem ser boas soluções, pois tornam públicos os bons exemplos que podem ficar escondidos nos bastidores e nunca serem compartilhados, se dependessem de encontros físicos, como no famoso “papo de bebedouro”.

Com uma plataforma mais social como essa, as filiais se comunicam com mais facilidade e também aproveitam os espaços para a troca de aprendizados e boas práticas. Trata-se de uma oportunidade muito rica para situações como, filiais dispersas geograficamente, que estão inseridas em diferentes culturas e experimentando hábitos diferentes. No caso de profissionais dispersos ou filiais, um canal de comunicação interna eficiente também pode contribuir para o alinhamento de ações e de visão, o que reduz o erro e o retrabalho.

A implantação de uma rede social corporativa em empresas globais já é uma tendência, pois as organizações estão percebendo os benefícios concretos que a ferramenta proporciona. É importante, contudo, a adoção de indicadores de desempenho que possam medir sua aplicação e utilidade. Ressalta-se que a adoção de uma plataforma com esse perfil caracteriza também uma mudança cultural na corporação, que se torna mais horizontal e aberta à participação e à interação.

/* ]]> */